sábado, 16 de maio de 2009

Campeonato mundial de CS chega ao Rio com feras

Fotos Andé Valentim/Strana

Os meninos do Mibr: a melhor equipe do país treina seis horas por dia

Os aficionados dos games de computador já têm programa para o feriadão. E o tal programa não é ficar jogando inofensivas partidas de futebol na telinha, jogo que fez sucesso nos anos 90. De sexta (27) a domingo acontece no Rio o campeonato CPL World Tour Stop Brasil, etapa de uma espécie de Copa do Mundo dos games (leia mais na coluna Para as Crianças). O Hotel Sheraton, onde acontece a farra, terá seus salões ocupados por jogadores de todo o mundo disputando um torneio de Painkiller, jogo no mesmo estilo do famoso Counter-Strike – ou seja, com muitas armas, tiros e cenas violentas –, mas que por enquanto faz menos sucesso. Em disputa, além do título de campeão, 130 mil reais em prêmios, distribuídos sob a forma de cotas de patrocínio, e o passaporte carimbado para disputar a final do campeonato em Dallas, no Texas. Lá, serão distribuídos 500 mil dólares em prêmios – para o vencedor, está reservada uma bolada de 150 mil dólares. Mas não vai ser fácil chegar a Dallas. Entre os competidores da etapa carioca do campeonato de Painkiller está o americano Johnathan Wendell, ou Fatal1ty, considerado atualmente o melhor jogador do game no mundo.

RevolTz: equipe é a principal adversária do Mibr

Paralelo ao CPL World Tour Stop Brasil acontece, também no Sheraton, um torneio de Counter-Strike. São dezesseis equipes – nacionais e internacionais – disputando 50 mil reais em contratos de patrocínio. Entre os competidores brasileiros estão os ciberatletas do Mibr (sigla que significa Made in Brazil). O quinteto carioca é considerado o melhor do país e seu nome virou sinônimo de qualidade e eficiência no mundo dos maníacos por games. "No ranking mundial, eles variam entre a quinta e a décima posição, o que é excelente", diz Mitikazu Lisboa, diretor da Marketing Cell, empresa responsável pelo CPL (sigla que significa Cyberathlete Professional League, ou Liga Profissional dos Ciberatletas). Os meninos – Rafael Pavanelli, o "Pava", Marcus Paes, o "Xed", Raphael Camargo, o "Cogu", Rafael Veloso, o "Pred", e Carlos Henrique Segal, o "Kiko" – são tratados como estrelas. Cresceram e ganharam tanta importância que até viraram patrocinadores: o Mibr patrocina duas equipes, a RevolTz e a ST. Os meninos da RevolTz seguem de perto os passos da Mibr. Estão entre as melhores equipes de Counter-Strike do país.

Para quem não tem uma equipe para inscrever na competição nem pretende ganhar a vida com os games, a CPL World Tour Stop Brasil tem o chamado Bring your own computer (em bom português, traga seu próprio computador). É isso mesmo: na rave dos gamemaníacos, quem chegar com seu computador debaixo do braço pode passar noite adentro jogando. Mas atenção: só podem participar da competição ou dos eventos paralelos os maiores de 18 anos.

Isabel Butcher

Matéria de 25/05/2005 na Veja Online
Link: http://veja.abril.com.br/vejarj/250505/games.html

Um comentário:

  1. Gostei meu nick é RvT1; = Revolt

    Add ae steam lipedohs

    ResponderExcluir